INFECÇÃO POR HPV E PATOLOGIAS ASSOCIADAS: INCIDÊNCIA E TRATAMENTO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE

Environmental Smoke

Endereço:
Rua Comerciante Antônio de Souza Lima, 25 - Mangabeira
João Pessoa / PB
58055-060
Site: https://www.environmentalsmoke.com.br
Telefone: (83) 2177-7648
ISSN: 2595-5527
Editor Chefe: Dimitri de Araujo Costa
Início Publicação: 12/08/2018
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Ciências Agrárias, Área de Estudo: Ciências Biológicas, Área de Estudo: Ciências da Saúde, Área de Estudo: Ciências Exatas, Área de Estudo: Ciências Humanas, Área de Estudo: Ciências Sociais Aplicadas, Área de Estudo: Engenharias, Área de Estudo: Linguística, Letras e Artes, Área de Estudo: Multidisciplinar

INFECÇÃO POR HPV E PATOLOGIAS ASSOCIADAS: INCIDÊNCIA E TRATAMENTO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE

Ano: 2018 | Volume: 1 | Número: 1
Autores: Maria Cristina Alves Moreira, Francisca Marina de Souza Freire
Autor Correspondente: Francisca Marina de Souza Freire | [email protected]

Palavras-chave: Centro de Diagnóstico do Câncer, DSTs, Promoção de saúde

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Dentre as doenças relacionadas às sexualmente transmissíveis, destaca-se o HPV (Papiloma Vírus Humano), devido ao grande número de casos registrados. Este estudo objetivou verificar a frequência de mulheres atendidas no CDC (Centro de Diagnóstico do Câncer), em João Pessoa/PB infectados pelo vírus HPV ou por patologias associadas. Tratou-se de um estudo descritivo exploratório quantitativo, no CDC, instituição de referência para o diagnóstico e tratamento destas doenças. Foi utilizado o método de pesquisa ativa, por meio da consulta aos livros de registro da instituição, referentes aos atendimentos realizados entre janeiro de 2009 a março de 2010. Os dados foram analisados por meio do programa estatístico SPSS.15, realizando-se estatísticas descritivas. Ressalta-se a importância do combate ao câncer uterino para a saúde da mulher, haja vista o alto índice de infecção. Reforça-se a necessidade de revisão de estratégias de atuação, de maneira que as ações educativas promovidas pelas equipes de atenção básica busquem as condições e informações necessárias para a prevenção do colo uterino, como também promovam a conscientização para a prevenção do contágio.