A etnobotânica aplicada à úlcera gástrica e avaliação farmacológica de Solanum stipulaceum

Acta Brasiliensis

Endereço:
Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Avenida Universitária, s/n. Bairro Jatobá Cx Postal 61
Patos / PB
58708-110
Site: http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra
Telefone: 8335113045
ISSN: 2526-4338
Editor Chefe: Edevaldo da Siva
Início Publicação: 31/01/2017
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Biologia geral

A etnobotânica aplicada à úlcera gástrica e avaliação farmacológica de Solanum stipulaceum

Ano: 2017 | Volume: 1 | Número: 1
Autores: C. A. A. Lima, D. M. Silvaa, E. L. S. Vilar, M. O. Rocha, W. S. Ferreira-Júnior, J. S. Batista, M. S. Silva
Autor Correspondente: M. S. Silva | [email protected]

Palavras-chave: Plantas medicinais, bioprospecção, análise de saliência, ensaios in vivo

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O saber popular sobre plantas medicinais tem auxiliado estratégias de bioprospecção de espécies e direcionado o estudo para a descoberta de novas atividades farmacológicas. O objetivo desta pesquisa foi identificar espécies medicinais utilizadas contra úlcera gástrica pela comunidade do Povoado Vila Capim, Arapiraca, Alagoas e, avaliar a atividade antiulcerogênica gástrica da espécie mais saliente. Para a seleção dos informantes-chave utilizou-se a técnica da bola de neve e aplicadas entrevistas semiestruturadas. A análise das falas foi pela técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Para os testes farmacológicos foram utilizados ratos Wistar machos no modelo de lesão gástrica aguda induzida por etanol absoluto. A toxicidade aguda foi avaliada. Dezessete informantes-chave indicaram os sintomas e plantas medicinais utilizadas contra a úlcera gástrica. A espécie com maior valor de saliência foi a Solanum stipulaceum (sacatinga), escolhida para testes químicos e farmacológicos. O extrato aquoso bruto (SSaq) apresentou atividade significativa na dose de 200 mg kg-1 (p<0,05), sendo capaz de inibir lesões (91,35%). O extrato etanólico (SSet) demonstrou atividade gastroprotetora nas doses de 200 e 400 mg kg-1 (p<0.01), com inibição de 71,12% e 76,38%, respectivamente. É necessário aprofundar os estudos para a elucidação dos compostos químicos das folhas da espécie, toxicologia e identificação dos mecanismos de ação subjacentes à atividade gastroprotetora de S. stipulaceum.