De que modo o capitão do mato contemporâneo pode ajudar a entender interpretações sobre o racismo brasileiro?

Revista Eletrônica da Faculdade Invest de Ciências e Tecnologia

Endereço:
Rua Adauto Botelho - 55 - Coxipó
Cuiabá / MT
78085-200
Site: http://revista.institutoinvest.edu.br/index.php/revistainvest/index
Telefone: (65) 9926-8729
ISSN: 2595-8178
Editor Chefe: Silvânio Paulo de Barcelos
Início Publicação: 23/06/2018
Periodicidade: Semanal
Área de Estudo: Multidisciplinar

De que modo o capitão do mato contemporâneo pode ajudar a entender interpretações sobre o racismo brasileiro?

Ano: 2021 | Volume: 3 | Número: 1
Autores: LOPES, Ricardo Cortez.
Autor Correspondente: R.C.Lopes | [email protected]

Palavras-chave: capitão do mato contemporâneo; racismo; figuras públicas.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Em uma perspectiva pré-republicana, o capitão do mato foi o nome de uma profissão cuja finalidade era a de capturar escravizados brasileiros. O fim oficial da escravidão no país deixou a profissão descontextualizada, porém ela pode ser ressignificada e é utilizada constantemente no debate público como adjetivo, o que evidencia interpretações sobre a dinâmica do racismo contemporâneo. Para investigar o problema, primeiramente estudamos quatro figuras públicas acusadas de ser capitão do mato, assim como suas defesas da atribuição: Fernando Holiday, Deputado Hélio Lopes, Marcelo Marrom e Paulo Cruz. Em um segundo momento, analisamos os textos que expressam e embasam os diferentes conceitos.