COVID-19 E VIDA IDOSA

Diálogos e Perspectivas Interventivas

Endereço:
Rua Álvaro Augusto, s/n - Rodoviária
Serrinha / BA
48700000
Site: https://revistas.uneb.br/index.php/dialogos
Telefone: (75) 3261-2168
ISSN: 2675-682X
Editor Chefe: Ivonete Barreto de Amorim
Início Publicação: 29/10/2020
Periodicidade: Anual
Área de Estudo: Multidisciplinar

COVID-19 E VIDA IDOSA

Ano: 2020 | Volume: 1 | Número: Não se aplica
Autores: Paulo Rodrigues dos Santos
Autor Correspondente: Paulo Rodrigues dos Santos | [email protected]om.br

Palavras-chave: biopolítica, covid-19, envelhecimento, vulnerabilidade biológica

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O texto objetiva contribuir para a compreensão do por que da pandemia da SARS Cov 2 travar o mundo capitalista, com base em tríplice recorte: a) – delineamento da vulnerabilidade biológica da população mundial frente à pandemia, com ênfase  na condição idosa, na descrição de um conjunto de afecções não transmissíveis, de predominância global e na desnaturalização do óbito, por Covid-19, na velhice; b) - análise da hipótese de que tais enfermidades resultam de racionalidades econômicas e políticas de base medicamentosa e alimentar, que conformam um tipo de governo populacional global, uma biopolítica da “saúde”; c) -  descrição do campo medicinal  compartido em: “medicina da doença”, que atua com cerca de dois terços da população;  “medicina da saúde”, com ação sobre, aproximadamente, um terço da população. Ambas com condição legal constituem domínios econômicos financeiros da economia mundial, duas linhas da medicina oficial implicadas na saúde como negócio. O texto articula metodologia quantitativa e qualitativa e tem suporte nas formulações teóricas de Michel Foucault.



Resumo Inglês:

The text aims to contribute to the understanding of why the SARS Cov 2 pandemic stops the capitalist world, based on a triple cut: a) - delineation of the biological vulnerability of the world population in the face of the pandemic, with emphasis on the elderly condition, in the description of a set of non-communicable diseases, of global predominance and in the denaturalization of death, by Covid-19, in old age; b) - analysis of the hypothesis that such diseases result from economic and political rationalities based on medication and food, which form a type of global population government, a “health” biopolitics; c) - description of the medicinal field divided into: “disease medicine”, which works with about two thirds of the population; “Health medicine”, with action on approximately one third of the population. Both with legal status are financial economic domains of the world economy, two lines of official medicine involved in health as a business. The text articulates quantitative and qualitative methodology and is supported by Michel Foucault's theoretical formulations.