Carolina de Jesus e paisagens do medo: uma análise geográfica a partir das Histórias em Quadrinhos

Revista Multidisciplinar de Estudos Nerds/Geek

Endereço:
Av. Itália, km 8 - Carreiros
Rio Grande / RS
Site: https://revistaestudosnerd.wixsite.com/estudosnerd
Telefone: (53) 3233-6730
ISSN: 26755084
Editor Chefe: Fábio Ortiz Goulart
Início Publicação: 01/07/2019
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Ciências Biológicas, Área de Estudo: Ciências Humanas, Área de Estudo: Linguística, Letras e Artes, Área de Estudo: Multidisciplinar

Carolina de Jesus e paisagens do medo: uma análise geográfica a partir das Histórias em Quadrinhos

Ano: 2020 | Volume: 2 | Número: 3
Autores: Lucas Elyseu Rocha Narcizo Mendes
Autor Correspondente: Lucas Elyseu Rocha Narcizo Mendes | [email protected]

Palavras-chave: histórias em quadrinhos, paisagem geográfica, instrumento

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente trabalho tem como objetivo a análise da paisagem da história em quadrinhos: Carolina (2016) – de autoria de Sirlene Barbosa e João Pinheiro – que retrata a vida da autora brasileira Carolina de Jesus. História em Quadrinhos que associada à paisagem geográfica contribui como instrumento de leitura do espaço, que através de uma linguagem visual e/ou textual, estrutura temporalidades diferentes e simultâneas ligadas, segundo Collot (2014), à realidades exteriores, as quais servem de memória para o espaço e são mediadas por referências espaciais que fazem da paisagem das histórias em quadrinhos uma maneira de participar criticamente e politicamente da reinterpretação/reconstrução do espaço geográfico



Resumo Inglês:

This paper aims to analyze the landscape of comics: “Carolina” (2016) - authored by Sirlene Barbosa and João Pinheiro - which portrays the life of Brazilian author Carolina de Jesus. Comic book that, associated with the geographical landscape, contributes as a space reading instrument, which through a visual and/or textual language, structure different and simultaneous temporalities linked, according to Collot (2014), to external realities, which serve as memory for space and are mediated by spatial references that make the landscape of comics a way to critically and politically participate in the reinterpretation/reconstruction of geographical space.