VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO INFANTIL: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ABUSOS VERIFICADOS NO AMBIENTE ESCOLAR

Revista Ciência Plural

Endereço:
Av. Senador Salgado Filho 1787, Lagoa Nova
Natal / RN
59056-000
Site: http://www.periodicos.ufrn.br/rcp
Telefone: (84) 3442-2338
ISSN: 2446-7286
Editor Chefe: Iris do Céu Clara Costa
Início Publicação: 31/12/2014
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Saúde coletiva

VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO INFANTIL: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ABUSOS VERIFICADOS NO AMBIENTE ESCOLAR

Ano: 2016 | Volume: 2 | Número: 2
Autores: Cléa Adas Saliba Garbin, Paula Caetano Araújo, Tânia Adas Saliba Rovida, Ana Carolina Rocha, Renato Moreira Arcieri, Artênio José Ísper Garbin
Autor Correspondente: Cléa Adas Saliba Garbin | [email protected].unesp.br

Palavras-chave: maus-tratos infantis, violência, pré-escolar, educação infantil

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Introdução:A violência infantil é caracterizada como uma mazela de saúde pública, sendo que os abusos podem compreender desde agressões físicas, injúrias psicológicas, negligência no ato de cuidar e violência sexual. Logo, qualquer profissional que tenha contato comcrianças, deve notificar casos suspeitos e/ou identificados. Dentre estes profissionais, destaca-se o educador de ensino infantil. Objetivo: Este estudo transversal objetivou verificar o perfil dos casos suspeitos e/ou confirmados de violência contra a criança em Escolas Municipais de Ensino Básico (EMEBS) do município de Araçatuba / SP, com o auxílio da equipe pedagógica.Métodos: A população pesquisada abrangeu 91 educadores. As escolas foram selecionadas por sorteio, sendo que o período de coleta de dados compreendeu o ano letivo de 2015. O instrumento de análise utilizado foi um relatório sobre suspeita e/ou confirmação de abusos, desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva da FOA Unesp. Essa ferramenta permite o registro do perfil da vítima,bem como do provável agressor, perfazendo ainda a anotação das formas de violência observadas e dos casos recidivantes.Resultados: 272 menores foram identificados como vítimas de violência pelos participantes, 51,1% eram do sexo masculino e 48,9% do sexofeminino. Os pais e/ou responsáveis foram apontados como os principais agressores (58,4%). Na descrição dos abusos, os casos mais verificados foram: presença de piolho (35,2%), agressividade (15,8%), roupas inadequadas (15,4%) e cárie (11%). Sendo assim, observa-se que a negligência foi o tipo de violência mais prevalente (92,6%). Dos casos identificados, 76,4% apresentaram recidivas. Conclusões: Portanto, ainda são elevados os índices de violência contra criança identificados em escolas de ensino infantil. Sugere-se assim melhor direcionamento das políticas públicas voltadas ao enfrentamento da violência, a fim de que se possa proteger os menores na melhor fase da vida, a infância.



Resumo Inglês:

Introduction: The child violence is characterized as a public health problem, and abuse can comprehend from physical aggressions, psychological injuries, negligence in caring and sexual violence. Thus, any professional who has contact with children should notify suspects and / or identified cases. Among these professionals, it is possible to highlight the kindergarten educator. Objective:In this way, this cross-sectional study aimed to determine the profile of suspected and / or confirmed cases of violence against children in stated funded nursery schools of Araçatuba, São Paulo State, Brazil, with the help of the teaching staff. Methods:The surveyed population included 91 educators. The schools were selected by sortition, and the data collection period comprehend the school year of 2015. The analysis instrument used was a report related to suspected and / or confirmed abuses, developed by the Collective Health Research Center of Araçatuba Dental School, Unesp. This tool allows the register of the victim's profile as well as the likely perpetrator, even comprehending annotations of the observed forms of violence and recurrent cases.Results: 272 children have been identified as victims of violence by the participants, 51,1% were male and 48,9% were female. Parents and / or caregivers were identified as the main perpetrators (58,4%). In the description of the abuses, the most verified cases were presence of louse (35,2%), aggressiveness (15,8%), inappropriate clothing (15,4%) and decay (11%). Thus, it is observed that the neglect was the most prevalent type of violence (92,6%). In relation to the identified cases, 76,4% had recurrences.Conclusions: Between this and that, there are still high levels of violence against children identified in nursery schools. Therefore, it is suggested better targeting of public policies aimed at combating violence, in order to protect minors in the best stageof life, childhood.