Trabalhadores no mundo: marinheiros indianos, c. de 1870-1940

Mundos do Trabalho

Endereço:
Programa de Pós-Graduação em História – CFH, Campus Universitário – UFSC, Bairro Trindade
Florianópolis / SC
88040-970
Site: http://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/index
Telefone: (48) 3721-9359
ISSN: 19849222
Editor Chefe: Aldrin A. S. Castellucci
Início Publicação: 31/05/2009
Periodicidade: Anual
Área de Estudo: História

Trabalhadores no mundo: marinheiros indianos, c. de 1870-1940

Ano: 2020 | Volume: 12 | Número: Não se aplica
Autores: Gopalan Balachandran
Autor Correspondente: Gopalan Balachandran | [email protected]

Palavras-chave: Empregos em alto-mar, Índia, Trabalho marítimo, Grã-Bretanha, Navegação imperial

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A expansão da marinha mercante britânica na era do vapor foi estimulada pelo emprego de tripulações do subcontinente indiano. Entre os mais mal pagos do mercado, os marinheiros indianos eram os trabalhadores internacionais pioneiros que compunham quase um terço da força de trabalho na marinha britânica em 1937. Rotulados genericamente como “lascars”, seu emprego em regimes semelhantes a contratos firmados reforçou o status de “coolies”, promoveu a desoneração/desqualificação do trabalho marítimo e instituiu hierarquias racializadas no trabalho na marinha mercante, que perduram até hoje dentro e fora do setor. Este artigo apresenta um breve relato das condições de vida e de trabalho dos marinheiros subcontinentais, explora a atitude dos sindicatos britânicos em relação ao emprego dessas tripulações e destaca sua crucial contribuição para a expansão da navegação imperial britânica e, de maneira mais geral, para a dimensão marítima do poder imperial britânico.



Resumo Inglês:

The expansion of British merchant shipping in the age of steam was stimulated by the employment of crews from the Indian subcontinent. Among the lowest paid in the industry, Indian seafarers were pioneering international workers who made up nearly a third of the British maritime workforce in 1937. Labelled generically as 'lascars', their employment on contracts resembling indenture reinforced their status as 'coolies', promoted the deskilling of maritime work, and instituted racialized work hierarchies in merchant shipping, which endure to this day within and beyond the industry. This article presents a brief account of the living and working conditions of subcontinental seafarers, explores the attitude of the British unions to their employment, and highlights their crucial contribution to the expansion of British imperial shipping and more generally to the maritime dimension of British imperial power.