SOBRE A FRAGILIDADE DA EXISTÊNCIA HUMANA NAS CONFISSÕES, XI

Basilíade

Endereço:
Rua Carmelo Rangel - 1200 - Batel
Curitiba / PR
80440-050
Site: https://fasbam.edu.br/pesquisa/periodicos/index.php/basiliade
Telefone: (41) 3243-9800
ISSN: 2596-092X
Editor Chefe: Irineu Letenski
Início Publicação: 27/01/2019
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Filosofia

SOBRE A FRAGILIDADE DA EXISTÊNCIA HUMANA NAS CONFISSÕES, XI

Ano: 2021 | Volume: 3 | Número: 5
Autores: Lúcio Souza Lobo, João Pedro da Luz Neto
Autor Correspondente: L. S. Lobo | [email protected]

Palavras-chave: Tempo, Confissões XI, Agostinho de Hipona, existência, distentio animi

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Questionando a respeito dos motivos que levaram Agostinho a tratar do tempo, tema frequentemente associado à metafísica e cosmologia, em sua obra Confissões, cujo caráter é autobiográfico, aventamos a hipótese de que o tema pertença ao projeto unitário da obra, cujas chaves de leitura seriam 1) a finalidade da vida humana e 2) a distinção entre Deus e as criaturas. Ao analisar a argumentação agostiniana, percebe-se que é possível inserir o debate em questão no âmbito geral da narrativa desta obra em específico. Percebe-se, ainda, que a partir desta ótica a abordagem psicológica não está necessariamente ligada à uma compreensão do tempo sob um aspecto meramente subjetivista, uma vez que a preocupação central da discussão não é com o aspecto metafísico/cosmológico e sim com a análise interior.



Resumo Inglês:

uestioning the reasons that led Augustine to reflect about time, a theme often associated with metaphysics and cosmology, in his work Confessions, which main character is autobiographical, we hypothesize that the theme belongs to the unitary project of the work, whose keys of reading would be 1) the purpose of human life and 2) the distinction between God and creatures. When analyzing the Augustinian argument, it is noticed that it is possible to insert the debate in question in the general scope of the narrative of this specific work. It is also noticed that, from this perspective, the psychological approach is notnecessarily linked to an understanding of time from a purely subjectivist aspect, since the central concern of the discussion is not with the metaphysical / cosmological aspect, but with the analysis interior.