A SAGA DE DUAS REGIÕES DO FAZER: AS SELETIVIDADES E AS MARGINALIDADES DO AGRESTE E DO SERTÃO PARAIBANOS NAS DIVISÕES TERRITORIAIS INTERNACIONAL E NACIONAL DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO

Revista Geotemas

Endereço:
Rodovia BR-405 - Arizona
Pau dos Ferros / RN
59900-000
Site: http://periodicos.uern.br/index.php/geotemas
Telefone: (84) 9414-2227
ISSN: 2236-255X
Editor Chefe: Josué Alencar Bezerra
Início Publicação: 01/06/2011
Periodicidade: Bianual
Área de Estudo: Geografia, Área de Estudo: Planejamento urbano e regional

A SAGA DE DUAS REGIÕES DO FAZER: AS SELETIVIDADES E AS MARGINALIDADES DO AGRESTE E DO SERTÃO PARAIBANOS NAS DIVISÕES TERRITORIAIS INTERNACIONAL E NACIONAL DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO

Ano: 2012 | Volume: 2 | Número: 1
Autores: Paulo Sérgio Cunha Farias
Autor Correspondente: Paulo Sérgio Cunha Farias | [email protected]

Palavras-chave: divisão territorial da produção, algodão, seletividade espacial, marginalidade espacial, Agreste, Sertão, Paraíba.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente artigo se propõe a analisar as regiões cotonicultoras paraibanas (Agreste e Sertão), mais precisamente as suas fases intercaladas de apogeu e de crise, iniciadas com as suas inserções nos circuitos mercantis do capitalismo, a partir da segunda metade do século XVIII, e encerradas com seus aniquilamentos como regiões produtoras de algodão, a partir de 1980. Em outras palavras, pretende-se responder às questões que permearam as suas etapas de seletividade e marginalidade espaciais nos contextos das divisões territoriais internacional e nacional da produção do algodão. Para isso, recorrese à abordagem histórico-geográfica, amparada na pesquisa bibliográfica, para recontar as referidas etapas. Por fim, entende-se que a competitividade capitalista instaurada nas escalas do mundo e do Brasil, bem como as recomposições sociotécnicas diferenciadas das regiões produtoras de algodão geradas por tal competitividade, ou seja, os avanços diferenciados das forças produtivas entre as regiões produtoras dessa malvácea, além da visão absoluta, fatalista e determinista da seca e da praga do bicudo, respondem melhor pela marginalização dessas regiões nas divisões territoriais internacional e nacional da produção cotonicultora.



Resumo Inglês:

This article aims to analyze the cotton producing regions of Paraiba (Agreste e Sertão), more precisely its phases intercalated peak and crisis, started with their insertions in mercantile circuits of capitalism, from the second half of the XVIII century, and end with their annihilation as a cotton producing regions, from 1980, In other words, we intend to answer the questions that had permeated their steps of spatial selectivity and marginalization in the context of international and national territorial divisions of cotton production. To do so, refers to the historical-geographical approach, supported by the bibliographical research, to recount those steps. Finally, it is understood that the capitalist competitiveness brought on the scales of the world and Brazil, as well as shifts between different socio-technical cotton producing regions generated by such competition, the differentiated advances of productive forces from the producing regions of this malvaceae specie, beyond the absolute, fatalistic and deterministic view of dried and the boll weevil pest, better respond by the marginalization of these regions in the Territorial divisions international and national of the cotton production.