A recursividade na linguagem: um olhar alternativo

Revista Linguística Rio

Endereço:
Av. Horácio Macedo, s/n, Faculade de Letras – UFRJ, sala F321,Cidade Universitária
Rio de Janeiro / RJ
21941-598
Site: http://www.linguisticario.letras.ufrj.br
Telefone: (21) 3938-9710
ISSN: 2358-6826
Editor Chefe: Nathacia Lucena Ribeiro / Thiago Oliveira da Motta Sampaio
Início Publicação: 31/08/2014
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Linguística

A recursividade na linguagem: um olhar alternativo

Ano: 2017 | Volume: 3 | Número: 2
Autores: A.A. Piovesani
Autor Correspondente: A.A. Piovesani | [email protected]

Palavras-chave: Recursividade; recursão; linguagem; gramática; definição; função; conceito; operação

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Este texto tem o objetivo de discutir a noção de recursividade (também denominada recursão, ou operação recursiva), amplamente difundida na teoria linguística, sob diferentes vieses. Sendo tema polêmico e multifacetário, traz à tona alguns debates, inclusive de caráter interdisciplinar. A teoria linguística, no contexto gerativista atual, se mostra favorável à concepção de que a recursão seja algo intrínseco à linguagem humana e, talvez, seu elemento de diferenciação em relação à de outros animais. Sendo assim, busca-se aqui uma breve abordagem acerca do tema e da necessidade de uma boa compreensão da ideia, pontuando as dificuldades derivadas de uma falta de unanimidade a respeito da definição do vocábulo, e mostrando caminhos alternativos, provenientes da matemática e da teoria da computação para procurar formalizar e uniformizar noções intuitivas utilizadas até então



Resumo Inglês:

This text aims to discuss the notion of recursion (also called recursiveness or recursive operation), widely diffused in linguistics, under different biases. Being a controversial and multifaceted theme, it raises some debates, including of an interdisciplinary nature. Linguistic theory in the current generativist context favors the idea that recursion is something intrinsic to human language, and perhaps the element that differs it from other animals’ languages. Thus, we propose a brief discussion on the subject and on the need for a good comprehension of the idea, highlighting the difficulties deriving from the lack of unanimity regarding the definition of the term, and showing alternative paths from mathematics and theory of computation to attempt to formalize and standardize intuitive notions used until now.