PRODUTIVIDADE DA MARCELA [Achyrocline satureioides (Lam.) DC.] EM CULTIVO SOLTEIRO E CONSORCIADO COM TANSAGEM (Plantago major L. )

Ciência E Agrotecnologia

Endereço:
Editora UFLA - Campus Histórico - Universidade Federal de Lavras
Lavras / MG
Site: http://www.editora.ufla.br/revista/
Telefone: (35) 3829-1532
ISSN: 14137054
Editor Chefe: Renato Paiva
Início Publicação: 31/12/1976
Periodicidade: Bimestral
Área de Estudo: Agronomia

PRODUTIVIDADE DA MARCELA [Achyrocline satureioides (Lam.) DC.] EM CULTIVO SOLTEIRO E CONSORCIADO COM TANSAGEM (Plantago major L. )

Ano: 2009 | Volume: 33 | Número: 2
Autores: Ana Cristina Araújo Ajalla, Maria do Carmo Vieira, Néstor A. Heredia Zarate, José Hortêncio Mota e Thalita Martinhão de Souza
Autor Correspondente: Ana Cristina Araújo Ajalla | [email protected]com

Palavras-chave: planta medicinal, associação de culturas, população de planta, marcela, achyrocline satureioides, tansagem, plantago major

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Objetivou-se, neste trabalho, avaliar o crescimento e a produção de biomassa de marcela [Achyrocline satureioides (Lam.)
DC.], em cultivo solteiro e consorciado com tansagem (Plantago major L.) e determinar a população de plantas dessas espécies
medicinais, em consorciação mais eficiente, visando o aumento produtivo e retorno econômico. Foram constituídos seis tratamentos:
duas fileiras de marcela espaçadas de 0,40m (M0,40); duas fileiras de marcela espaçadas de 0,25m (M0,25); duas fileiras de tansagem
espaçadas de 0,75m (T0,75); três fileiras de tansagem espaçadas de 0,40m (T0,40); duas fileiras de marcela alternadas com três fileiras
de tansagem (M0,40T0,40) e duas fileiras de marcela alternadas com duas fileiras de tansagem (M0,25T0,75). O delineamento experimental
foi em blocos casualizados, com quatro repetições. Foram efetuadas colheitas de marcela aos 180, 210 e 225 dias após o transplante.
Os tratamentos não influenciaram as alturas das plantas da marcela e da tansagem. As produções da marcela foram influenciadas
apenas pelas três épocas de colheita sendo significativamente superior nas duas primeiras, apresentando massas de flores frescas de
2,51, 2,63 e 1,28 t ha-1, respectivamente, aos 180, 210 e 225 dias após o transplante. A massa de folhas frescas da tansagem não foi
influenciada pelo consórcio mas foi maior sob o espaçamento T0,40 (6,13 t ha-1) do que sob o T0,75 (3,32 t ha-1). A Razão de Área
Equivalente do consórcio M0,40T0,40, foi 1,6 e o de M0,25T0,75 foi 2,4. Quanto à renda bruta observaram-se acréscimos de 30% para o
tratamento M0,40T0,40 e 77% para o tratamento M0,25T0,75 comparadas ao tratamento da marcela solteira M025 e de 70% e 131%,
respectivamente, em relação à tansagem solteira T0,40.



Resumo Inglês:

The objective of this work was to evaluate the growth and the yield of marcela [Achyrocline satureioides (Lam.) DC.]
biomass, in a monocrop system and intercropped with common plantain (Plantago major L.) as well as to determine the population
of these medicinal plants in a more efficient intercrop system, in order to increase the yield and the economic return. Six treatments
were established: two rows of marcela spaced 0.4 m from each other (M0,40), two rows of marcela spaced 0.25 m (M0.25), two rows
of common plantain spaced 0.75 m (T0.75), three rows of common plantain spaced 0.40 m (T0.40), two rows of marcela alternated with
three rows of common plantain (M0.40T0.40), and two rows of marcela alternated with three rows of common plantain (M0.25T0.75).
The experimental design was the randomized blocks with four replications. Harvests of marcela were performed at 180, 210 and, 225
days after the transplantation. The treatments did not influence the heights of marcela and common plantain. Yields of marcela were
influenced only by the harvest dates and they were significantly higher in the first and the second dates, showing fresh mass of
flowers of 2.51; 2.63 and 1.28 t ha-1, respectively, at 180, 210 and 225 days after the transplantation. Fresh mass of common plantain
leaves was not influenced by the intercropping, but it was higher under T0.40 (6.13 t ha-1) space than under T0.75 (3.32 t ha-1). Land
Equivalent Ratio of the M0.40 T0.40 intercropping was 1.6 and that of M0.25T0.75 was 2.4. Regarding the gross income, increases of 30%
were observed for the treatment M0.40 T0.40 and 77% for the treatment M0.40 T0.40 when compared to the treatment M0.25 and 70% and
131%, respectively, when compared to T0.40.