A pró-existência de Heinz Schürmann

Pesquisas em Teologia

Endereço:
Rua Marquês de São Vicente - 225 - Gávea
Rio de Janeiro / RJ
22451900
Site: http://periodicos.puc-rio.br/index.php/pesquisasemteologia/index
Telefone: (21) 3527-1974
ISSN: 2595-9409
Editor Chefe: Prof. Dr. Abimar Oliveira de Moraes
Início Publicação: 05/12/2018
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Teologia

A pró-existência de Heinz Schürmann

Ano: 2019 | Volume: 2 | Número: 3
Autores: E. B. Robert
Autor Correspondente: E. B. Robert | [email protected]

Palavras-chave: Pró-existência, Schürmann, cristologia, Ratzinger, cristologia de Ratzinger.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Na trilogia “Jesus de Nazaré”, Ratzinger utiliza o termo “pró-existência”, cunhado pelo exegeta alemão Heinz Schürmann, afirmando que tal conceito apresenta não só um aspecto da vida de Cristo, mas a dimensão mais íntima e integral, que possibilita ao homem entrar em seu mistério e compreender também o significado de ser seu discípulo: segui-lo. Pergunta-se, então, como Heinz Schürmann concebia a pró-existência? Segundo ele, Jesus foi o homem que viveu totalmente descentralizado: viveu para “os outros” em dupla direção, vertical e horizontal: para o Pai e para os homens; fez de sua vida um serviço, uma entrega, que alcançou seu ápice através de sua morte. Jesus não só redimirá a humanidade dos seus pecados, como também, por meio de seu exemplo pró-existente e abertura, libertará o homem da escravidão do seu próprio “eu”. Schürmann aponta como fundamento último da pró-existência de Jesus a própria vida intra-trinitária. Como consequência, Cristo se apresenta como o “homem novo”, o “último Adão”, doador da vida e que abre ao homem o próprio projeto original de Deus. Schürmann conclui que a vida só tem sentido quando o homem adentra no mistério da morte de Cristo, que levará o homem à remissão da culpa, a libertação do próprio “eu” e tornará a pessoa capaz do serviço, para Deus e para o próximo, para o bem da sociedade e de toda a criação.



Resumo Inglês:

In the “Jesus of Nazareth” trilogy, Ratzinger uses the term “pro-existence”, coined by the German exegete Heinz Schürmann, stating that such a concept presents not only an aspect of Christ’s life, but his most intimate and integral dimension, which enables man to enter into his mystery and to understand does it means to be his disciple, to follow him. How can we understand Heinz Schürmann conceived pro-existence. According to Schürmann, Jesus was the man who lived totally decentralized: he lived for “others” in a double dimension, vertical and horizontal: for the Father and for men; made his life a service, a delivery that reached its apex at his death. Jesus will not only redeem humankind from its sins, but also, by his pro-existing example and openness, will free man from the bondage of its own self. Schürmann points as the very foundation of Jesus’ pro-existence his own intra-Trinitarian life. Therefore, Christ presents himself as the “new man”, the “last Adam”, the giver of life and the one who opens man to God’s own original design. Schürmann concludes that life only makes sense when one enters the mystery of the death of Christ, which will lead man to the remission of guilt, to the liberation of his own self, and will make the person capable of service, both to God and to the neighbor, for the improvement of society and of the whole creation.