PRÁTICA CLÍNICA E BARREIRAS RELACIONADAS À MOBILIZAÇÃO PRECOCE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar

Endereço:
Praça Mascarenha de Moraes, 4282 - UNIPAR - Zona III
Umuarama / PR
87502210
Site: http://revistas.unipar.br/saude
Telefone: (44) 3621-2812
ISSN: 1982-114X
Editor Chefe: Giuliana Zardeto
Início Publicação: 31/01/1997
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Ciências da Saúde

PRÁTICA CLÍNICA E BARREIRAS RELACIONADAS À MOBILIZAÇÃO PRECOCE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Ano: 2022 | Volume: 26 | Número: 2
Autores: FIGUEIREDO, F.; CONCEIÇÃO, T. da; BÜNDCHEN, D.
Autor Correspondente: BÜNDCHEN, D. | [email protected]

Palavras-chave: Ventilação mecânica, Deambulação precoce, Fisioterapia, Mechanical ventilation, Early ambulation, Physical therapy

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Objetivo: caracterizar a prática clínica e identificar as barreiras relacionadas à mobilização precoce em uma Unidade de Terapia Intensiva. Método: estudo observacional analítico e prospectivo que incluiu pacientes em ventilação mecânica por mais de 24 horas. Foram coletados diariamente dados clínicos, critérios de segurança, barreiras e atividades realizadas nos atendimentos de fisioterapia. Posteriormente a amostra foi dividida de acordo com a realização de sedestação à beira do leito. Utilizou-se teste T para comparação entre grupos e para associação teste Qui-quadrado ou Exato de Fischer quando necessário. Resultados: participaram 54 indivíduos com média de idade 51,33±14,85 anos e SAPSIII médio de 63,47±13,37 pontos. A mobilização foi realizada em 1356 sessões, em sua maioria atividades passivas. Nenhuma atividade fora do leito foi realizada com pacientes em ventilação mecânica. As principais barreiras foram sedação, nível de consciência e procedimentos médicos. A não sedestação à beira do leito foi associada à ausência de critérios de segurança, que impediram a mobilização, e ocorrência de óbito. Conclusão: A mobilização foi realizada na maioria das sessões, porém poucas atividades foram realizadas fora do leito. Durante o período de ventilação mecânica nenhuma atividade foi realizada fora do leito. As barreiras mais citadas foram sedação, nível de consciência e procedimentos médicos.



Resumo Inglês:

Purpose: characterize the clinical practice and identify barriers related to early mobilization in an Intensive Care Unit. Method: analytical and prospective observational study that included patients on mechanical ventilation for more than 24 hours. Clinical data, safety criteria, barriers and activities performed in physical therapy consultations were collected on a daily basis. Subsequently, the sample was divided according to the performance of the patient sitting at the bedside. The T-test was used for comparison between groups and the Chi-square test or Fisher’s exact test were used when necessary. Results: a total of 54 individuals participated, with a mean age of 51.33±14.85 years and mean SAPSIII of 63.47±13.37 points. Mobilization was performed in 1356 sessions, mostly passive activities. No out-of-bed activities were performed with patients on mechanical ventilation. The main barriers were sedation, level of consciousness, and medical procedures. Failure to sit at the bedside was associated with the absence of safety criteria, which prevented mobilization, and the occurrence of death. Conclusion: Mobilization was performed in most sessions, but few activities were performed outside the bed. During the period of mechanical ventilation, no activity was performed outside the bed. The barriers most frequently mentioned were sedation, level of consciousness, and medical procedures.