Polissemia e campos semânticos: um estudo sobre extensões de significados das preposições de eixo de trajetória

Revista Linguística Rio

Endereço:
Av. Horácio Macedo, s/n, Faculade de Letras – UFRJ, sala F321,Cidade Universitária
Rio de Janeiro / RJ
21941-598
Site: http://www.linguisticario.letras.ufrj.br
Telefone: (21) 3938-9710
ISSN: 2358-6826
Editor Chefe: Nathacia Lucena Ribeiro / Thiago Oliveira da Motta Sampaio
Início Publicação: 31/08/2014
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Linguística

Polissemia e campos semânticos: um estudo sobre extensões de significados das preposições de eixo de trajetória

Ano: 2018 | Volume: 4 | Número: 1
Autores: Daiana do Amaral Jeremias
Autor Correspondente: Daiana do Amaral Jeremias | daian[email protected]

Palavras-chave: campos semânticos, eixo de trajetória, polissemia, preposição

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Esse artigo faz uma descrição do fenômeno da polissemia nas preposições ‘de’ e ‘para’ do português brasileiro, a partir de uma perspectiva localista de campos semânticos de Jackendoff (1983). Em uma concepção léxico-cognitiva, as preposições são itens polissêmicos, pois uma única preposição pode atribuir diferentes significados ao seu complemento ou objeto de referência, e esses significados são extensões de uma representação prototípica espacial de trajetória. Com isso, propomos que a projeção localista, presente no uso das preposições, é um reflexo do que incorporamos do mundo físico, ou seja, movimento corporal, orientação espacial e a nossa interação com os objetos, para nossa realidade linguística.



Resumo Inglês:

This paper presents the polysemy of prepositions ‘from’ and ‘to’ of Brazilian Portuguese from a localist perspective of semantic fields. Namely, in a lexico-cognitive approach, the prepositions are polysemic items, because a single preposition can attribute distinct meanings to its complement or object of reference, and these meanings are extensions of a prototypical spatial representation of a trajectory. So, we propose that the localist projection, present in the use of prepositions, is a reflex of what we incorporate from the physical world to our linguistic reality, that is, corporal movement, spatial orientation and our interaction with objects.