Os Intelectuais na cosntrução de uma Bahia imaginada entre as décadas de 1910 e 1950

Das Amazônias

Endereço:
Rodovia BR-364 - Distrito Industrial
Rio Branco / AC
69920-900
Site: https://periodicos.ufac.br/index.php/amazonicas/index
Telefone: (68) 9208-5377
ISSN: 2674-5968
Editor Chefe: Nedy Bianca Medeiros de Albuquerque
Início Publicação: 31/12/2018
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Ciências Humanas

Os Intelectuais na cosntrução de uma Bahia imaginada entre as décadas de 1910 e 1950

Ano: 2021 | Volume: 4 | Número: 1
Autores: S. S. Carmo
Autor Correspondente: S. S. Carmo | suracarm[email protected]

Palavras-chave: Intelectuais, Bahia, Imaginário, Discurso

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente artigo visa discutir as ações dos intelectuais baianos na construção de um imaginário relacionado a Salvador e a Bahia entre as décadas de 1910 e 1950 que culminaram na invenção da baianidade. A partir da caracterização de tais intelectuais, busca-se compreender a criação e difusão de diversos elementos da cultura soteropolitana em publicações e nas artes, criando-se um imaginário para a cidade que se torna também um imaginário da Bahia. Distinguem-se dois grupos de intelectuais: os vinculados ao IGHB, caracterizado pela valorização do apogeu colonial, e um segundo grupo, a Academia dos Rebeldes, de pensamento comunista, que valorizava elementos da cultura afro-baiana. O conceito de intelectualorgânico de Gramsci foi essencial para a compreensão da intelectualidade local como indivíduos profundamente emaranhados nas relações sociais, que pertencem a uma classe ou grupo social, mas também como força autônoma independente da classe onde circulam.A metodologia empregada foi à análise qualitativa de textos publicados em anais do IGHB, jornais e revistas, além de livros considerados como guias da baianidade, em que foram observados os diferentes discursos relacionados à cultural local. Os resultadosobtidos demonstraram o caráter heterogêneo na intelectualidade baiana com a formação de grupos antagônicos, mas que, concomitantemente, atuaram em prol do desenvolvimento local através da valorização de aspectos culturais.



Resumo Inglês:

This article aims to discuss the actions of Bahian intellectuals in the construction of an imaginary related to Salvador and Bahia between the decades of 1910 and 1950 that culminated in the invention of baianidade. Based on the characterization of such intellectuals, we seek to understand the creation and diffusion of various elements of the soteropolitan culture in publications and in the arts, creating an imaginary for the city that also becomes an imaginary of Bahia. Two groups of intellectuals are distinguished: those linked to the IGHB, characterized by the valorization of the colonial heyday, and a second group, the Academia dos Rebeldes, of communist thought, which valued elements of Afro-Bahian culture. Gramsci's concept of organic intellectual was essential for understanding local intellectuality as individuals deeply entangled in social relations, belonging to a social class or group, but also as an autonomous force independent of the class in which they circulate. The methodology used was the qualitative analysis of texts published in the IGHB annals, newspapers and magazines, in addition to books considered as guides to Bahianity, in which the different discourses related to the local culture were observed. The results obtained demonstrated the heterogeneous character in Bahian intellectuals with the formation of antagonistic groups, but, at the same time, they acted in favor of local development through the valuation of cultural aspects.