O LITORAL COMO MERCADORIA: O CONSUMO DAS PRAIAS NA ESTRATÉGIA DO CAPITAL

Cultur

Endereço:
Campus Soane Nazaré de Andrade km 16 Rodovia Ilhéus-Itabuna
/ BA
0
Site: http://www.uesc.br/revistas/culturaeturismo/
Telefone: (73)36805043
ISSN: 19825838
Editor Chefe: Marco Aurélio Ávila
Início Publicação: 30/09/2007
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Turismo

O LITORAL COMO MERCADORIA: O CONSUMO DAS PRAIAS NA ESTRATÉGIA DO CAPITAL

Ano: 2010 | Volume: 4 | Número: 1
Autores: Daniel da Rocha Ramos
Autor Correspondente: Daniel da Rocha Ramos | [email protected]oo.com.br

Palavras-chave: sociedade contemporânea, cidade, praias

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A sociedade contemporânea consome sem muita preocupação os cenários que os mass mídia não cessam em nos apresentar como mercadorias em prateleiras. Não são poucos os autores que denunciaram e denunciam este estado social de anestesia geral, que evidencia-se na perda de produção de subjetividade em todos os níveis. Somos compelidos a pensar o que nos é fornecido como insumo. Já não distinguimos, e até certo ponto nem queremos distinguir, entre o que nos pode ser útil e aquilo que mesmo repleto de apelos – geralmente como imagens – pode ser pura inutilidade. O capital toma as rédeas da produção do espaço das cidades, assim como da produção de subjetividade. Uma re-finalização das atividades humanas se faz necessária para pensarmos em uma outra globalização, no sentido miltoniano do termo. Este estudo após discussão teórica sobre a questão da produção do espaço e da subjetividade na história do presente, direciona o olhar a praia, ou melhor, aos espaços praiais para uma análise de algumas formas de uso e ocupação destes espaços.



Resumo Inglês:

The society contemporary consumes without much concern the scenes that mass media does not cease in presenting in them as merchandises in shelves. The authors are not few who had denounced and denounce this social general anesthesia state, that make evident in the loss of production of subjectivity in all the levels. We are compelled to think what he is supplied in them as consumption. Already we do not distinguish, and until certain point nor we want to distinguish, between what can be useful and what even full of appeals - generally as images - can be pure uselessness. The capital takes the of the production of the space of the cities, as well as of the subjectivity production. The finishing of the activities human beings if makes necessary to think about one another globalization, in the “miltoniano” direction of the term. This study after theoretical discussion on the question of the production of the space and the subjectivity in the history of the present, directs the look the beach, or better, to the beaches spaces for an analysis of some forms of use and occupation of these spaces.