O imperialismo da história: reflexões sobre os limites do discurso histórico na historiografia indiana

Revista Hydra

Endereço:
Estrada do Caminho Velho, 333 - Pimentas, Guarulhos - SP
Guarulhos / SP
07252-312
Site: http://hydra.unifesp.br/
Telefone: (11) 5576-4848
ISSN: 2447-942X
Editor Chefe: Gabriela de Oliveira Nery Costa
Início Publicação: 29/02/2016
Periodicidade: Bimestral
Área de Estudo: História

O imperialismo da história: reflexões sobre os limites do discurso histórico na historiografia indiana

Ano: 2016 | Volume: 1 | Número: 1
Autores: Paula Carolina de Andrade Carvalho
Autor Correspondente: CARVALHO, Paula Carolina de Andrade | [email protected]

Palavras-chave: Discurso Histórico, Estudos Subalternos, Ashis Nandy

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Este artigo pretende fazer uma revisão parcial da historiografia indiana do pós-independência, mais especificamente a partir de questões suscitadas pelo grupo dos Estudos Subalternos, que têm por objetivo pensar como as chamadas camadas “subalternas” da população narram o seu próprio passado. Isso os leva a criticar o conceito de historicismo como a base do discurso histórico introduzido com a colonização britânica, apontando para os próprios limites da historicização ao confrontá-la com determinados passados “subalternos”. O presente artigo também se propõe a analisar o desdobramento dessa posição crítica no discurso do teórico social indiano Ashis Nandy, que critica o próprio conceito de história, o qual vê como uma “segunda colonização” que domina o pensamento indiano, uma vez que a história seria uma forma de alienação intelectual que legitimaria a “primeira colonização”.



Resumo Inglês:

This article intends to make a partial revision of post-independence Indian historiography , particularly questions concerning the Subaltern Studies group, that reflected on how the so-called “subaltern” groups narrate their own past. This lead to a critique of the concept of historicism as the basis of the historical discourse introduced by British colonization, showing the limits of historicization when confronted with certain “subaltern” pasts. This article will also analyze the development of this critical position in the writings of the Indian social critic Ashis Nandy, who criticizes the own concept of history, which he sees as means to a “second colonization” that dominates Indian thought, since history would be a form of intellectual alienation that would legitimize the “first colonization”.