John Rogers, William Prynne e a Good Old Cause: um debate em torno de um conceito político durante a Revolução Inglesa

Revista Hydra

Endereço:
Estrada do Caminho Velho, 333 - Pimentas, Guarulhos - SP
Guarulhos / SP
07252-312
Site: http://hydra.unifesp.br/
Telefone: (11) 5576-4848
ISSN: 2447-942X
Editor Chefe: Gabriela de Oliveira Nery Costa
Início Publicação: 29/02/2016
Periodicidade: Bimestral
Área de Estudo: História

John Rogers, William Prynne e a Good Old Cause: um debate em torno de um conceito político durante a Revolução Inglesa

Ano: 2016 | Volume: 1 | Número: 1
Autores: Jaime Fernando dos Santos Junior
Autor Correspondente: JUNIOR, Jaime Fernando dos Santos | [email protected]

Palavras-chave: Good Old Cause, John Rogers, Revolução Inglesa

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O objetivo desse artigo é discutir o conceito de Good Old Cause, um importante mobilizador da agitação e efervescência política que movimentou a Inglaterra moderna no ano de 1659. Após a queda do Protetorado e o retorno da Commonwealth, muitos autores republicanos se utilizaram da expressão reivindicando uma memória e um projeto de governo comum. Com o sucesso da noção, alguns autores procuraram reinterpretá-la advogando sua aplicação em torno da causa monárquica. Tal procedimento foi realizado principalmente pelo advogado puritano, William Prynne, que recebeu um enérgico combate do devoto republicano, John Rogers. Assim, esse autor procurou atacar o regalista e recuperar o sentido tradicional do conceito, em prol de uma constituição republicana e em defesa da soberania popular. Desta forma, pretende-se investigar o ambiente que motivou a utilização do termo, sua difusão no espaço público e suas tentativas de reinterpretação.



Resumo Inglês:

The purpose of this article is to discuss the concept of Good Old Cause, a mobilizer of major unrest and political turmoil that moved the modern England in the year 1659. After the fall of the Protectorate and the return of the Commonwealth, many republicans authors used the expression claiming a memory and a common government project. With the success of the concept, some authors tried to reinterpret it advocating its implementation around the monarchic cause. This procedure was carried out mainly by the puritan lawyer, William Prynne, who received a strong response from the godly republican, John Rogers. Thus, the author sought to attack the royalist and recover the traditional sense of the concept in favor of a republican constitution and in defense of popular sovereignty. In this way, we intend to investigate the environment that led to the use of the term, its dissemination in the public space and its attempts at reinterpretation.