AS INIQUIDADES SOCIAIS E AS DISPARIDADES NA MORTALIDADE POR CÂNCER RELATIVO AO GÊNERO

Revista Ciência Plural

Endereço:
Av. Senador Salgado Filho 1787, Lagoa Nova
Natal / RN
59056-000
Site: http://www.periodicos.ufrn.br/rcp
Telefone: (84) 3442-2338
ISSN: 2446-7286
Editor Chefe: Iris do Céu Clara Costa
Início Publicação: 31/12/2014
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Saúde coletiva

AS INIQUIDADES SOCIAIS E AS DISPARIDADES NA MORTALIDADE POR CÂNCER RELATIVO AO GÊNERO

Ano: 2015 | Volume: 1 | Número: 2
Autores: Isabelle Ribeiro Barbosa, Iris do Céu Clara Costa, María Milagros Bernal Pérez, Dyego Leandro Bezerra de Souza
Autor Correspondente: Isabelle Ribeiro Barbosa | [email protected]

Palavras-chave: Neoplasias, Iniquidade social, Saúde do Homem, Saúde da mulher, Mortalidade.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O câncer é hoje uma das principais causas de adoecimento e morte nos países de baixa e média renda. Os fatores socioeconômicos como a renda, escolaridade, o gênero, a etnia, além da variação geográfica na disponibilidade e prestação de cuidados são apontados como determinantes importantes para a mortalidade por câncer. No Brasil, as desigualdades históricas e marcantes que se apresentam entre as regiões brasileiras são refletidas na estruturação e amplitude das políticas públicas que enfocam a saúde do homem e da mulher, impactando de forma diferencial na incidência e mortalidade pelos cânceres que são específicos ao gênero. Nesse sentido, parece urgente a implantação de políticas públicas de saúde direcionadas às populações mais afetadasassociadas à diminuição das iniquidades sociais e de acesso à prevenção primária, ao diagnóstico precoce e a tratamentos no intuito de reduzir as disparidades na mortalidade por câncer no Brasil



Resumo Inglês:

Cancer is a major cause of illness and death in low-and middle-income countries. Socioeconomic factors such as income, education, gender, ethnicity, beyond the geographic variation in the availability and care identified as important determinants of cancer mortality. In Brazil, the historical and striking inequalities that arise between the Brazilian regions are reflected in the structure and scope of public policies that focus on the health of man and woman, impacting differentially on the incidence and mortality for cancers that are specific to the gender. In this sense, it seems urgent to implement public health policies directed to the most affected populations associated with the reduction of social inequalities and access to primary prevention, early diagnosis and treatment in order to reduce disparities in cancer mortality in Brazil.