Infância e errância na literatura do século xix – diálogos interdisciplinares sobre a circulação de crianças e adolescentes nos centros urbanos

Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE

Endereço:
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos
Recife / PE
52171-900
Site: http://www.journals.ufrpe.br
Telefone: (81) 8812-5501
ISSN: 2316977X
Editor Chefe: Professor Dr. Tarcísio Augusto Alves da Silva
Início Publicação: 30/06/2012
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Sociologia

Infância e errância na literatura do século xix – diálogos interdisciplinares sobre a circulação de crianças e adolescentes nos centros urbanos

Ano: 2016 | Volume: 2 | Número: Especial
Autores: DOURADO, Ana Cristina Dubeux
Autor Correspondente: DOURADO, Ana Cristina Dubeux | [email protected]

Palavras-chave: História, Criança, Literatura.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Crianças e adolescentes que circulam pelos grandes centros urbanos – tanto em situação de abandono como em busca de ocupações diversas – compõem um grupo social que começou a ganhar maior visibilidade no contexto pós-industrial. Cientistas, intelectuais e escritores debruçaram-se sobre a infância em suas produções – sobretudo a partir do século XIX – contribuindo com pesquisas e textos literários que tornaram possível a cria- ção de diálogos entre vários campos de saber para entender, por exemplo, fenômenos como a errância. Em um momento em que crianças atravessam fronteiras continentais correndo risco de vida com o objetivo de se instalar em países europeus, a reexão sobre processos migratórios envolvendo a infância mantem sua atualidade. A partir da análise de narrativas ccionais e dados históricos, este artigo tem como objetivo contribuir para colocar em diálogo elementos subjetivos e condicionantes sociais que ainda hoje de- sempenham um papel na compreensão das razões e comportamentos de indivíduos confrontados a experiências de errância desde uma idade preco- ce. Tomando como ponto de partida personagens literários como Pinóquio, Oliver Twist e David Coppereld, a autora destaca a importância do indi- vidualismo como ideologia emancipadora presente em representações da infância que são objetos de estudo nas Ciências Sociais.