Imagens poéticas em Lampejos de Leonilda Hilgenberg Justus

Odisseia

Endereço:
Avenida Senador Salgado Filho, 3000 - Lagoa Nova
Natal / RN
59078-970
Site: http://www.periodicos.ufrn.br/odisseia/index
Telefone: (84) 3342-2220
ISSN: 1983-2435
Editor Chefe: Katia Aily F. de Camargo e Orison Marden Bandeira de Melo Júnior
Início Publicação: 31/07/2008
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Letras, Área de Estudo: Linguística

Imagens poéticas em Lampejos de Leonilda Hilgenberg Justus

Ano: 2019 | Volume: 4 | Número: 2
Autores: Vanderlei Kroin
Autor Correspondente: Vanderlei Kroin | [email protected]

Palavras-chave: Poesia, Imaginário, Imagem poética, Linguagem poética

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A poesia se originou com o mito nos tempos primordiais e por isso remetia mais intimamente ao sagrado. Com o passar do tempo, desgarrou-se em partes dessa relação compulsivamente orgânica que unia homens, deuses e natureza, mas não perdeu a essência que a põe em relação íntima com o mítico e o mágico. Na atualidade, o poético ainda mantém uma linguagem itinerante, que põe o homem em diálogo com o mundo. Nessa perspectiva, o propósito deste trabalho é trazer algumas considerações acerca de imagens poéticas presentes na obra Lampejos, da escritora Leonilda Hilgenberg Justus, tentando mostrar algumas dessas imagens construídas linguisticamente no gênero haicai. Para tal propósito, o estudo se pauta nas considerações acerca da poesia e do imaginário, contemplando estudos de autores como Octavio Paz, Gaston Bachelard, Gilbert Durand, entre outros. Como resultado, os lampejos vicejantes de Hilgenberg Justus mostram o estabelecimento da relação simbólica do homem com o mundo por meio da linguagem poética, que é uma potência do imaginário humano.



Resumo Inglês:

Poetry has come to being along with myth, in the primordial times and so it refers more closely to the sacred. As time passed, it separated in parts from this compulsively organic relation that united men, gods and nature, but it has not lost its essence which puts poetry in close relation with the mythical and the magical. Nowadays the poetic still maintains its shifting language, which keeps men in dialogue with the world. In this perspective, the aim of this work is to bring forth some considerations concerning poetic images in Lampejos, by the writer Leonilda Hilgenberg Justus, trying to show some of these linguistically built images in the haicai genre. With that purpose in mind, this study is based on the thoughts concerning poetry and the imaginary, found in works of authors such as Octavio Paz (1994; 1996), Gaston Bachelard (1993), Gilbert Durand (2002), and others. As a result, Hilgenberg Justus’s thriving glimmers show the establishment of man’s symbolic relationship with the world through poetic language, which is a power of the human imagination.