A experiência sinodal no Cristianismo antigo dos séculos II ao IV

Pesquisas em Teologia

Endereço:
Rua Marquês de São Vicente - 225 - Gávea
Rio de Janeiro / RJ
22451900
Site: http://periodicos.puc-rio.br/index.php/pesquisasemteologia/index
Telefone: (21) 3527-1974
ISSN: 2595-9409
Editor Chefe: Prof. Dr. Abimar Oliveira de Moraes
Início Publicação: 05/12/2018
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Teologia

A experiência sinodal no Cristianismo antigo dos séculos II ao IV

Ano: 2020 | Volume: 3 | Número: 6
Autores: Luiz Antônio Pinheiro
Autor Correspondente: L. A. Pinheiro | [email protected]

Palavras-chave: Igreja Antiga, Concílio, Sínodo, Colegialidade, Sinodalidade

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O Papa Francisco tem insistido na “sinodalidade” como forma concreta de viver os princípios de comunhão, participação, subsidiariedade e corresponsabilidade pastoral hauridos no Concílio Vaticano II (1962-1965). Para viver esta sinodalidade nos dias de hoje, podemos buscar inspiração na tradição sinodal do cristianismo antigo. Um de seus aspectos mais característicos era a preocupação com a comunhão, a busca da unidade da fé e da disciplina entre as numerosas comunidades cristãs, dispersas pelo Império Romano. A realização de sínodos ou concílios foi o caminho encontrado para viver a comunhão entre as Igrejas em âmbito regional, local e universal. O nascimento da praxe sinodal se deu no século II, desenvolveu-se no século III e, ao encontrar a maturidade no início do século IV, desembocou na instituição do concílio ecumênico. Com o Concílio de Niceia abriu-se uma nova etapa na história do cristianismo. Há uma continuidade e descontinuidade entre os concílios desses três séculos e os grandes concílios ecumênicos da antiguidade cristã. Neste artigo queremos dar a conhecer, de maneira panorâmica, a evolução dessa praxe, de raízes evangélicas, destacando uma série de concílios ou sínodos antigos, com suas características, eclesialidade emergente e seu significado para o caminho sinodal da Igreja nos tempos atuais.



Resumo Inglês:

Pope Francis proposes “synodality ” as “the way of life of the Church”. To “walk ogether” today, we can look to the synodal tradition of ancient Christianity for nspiration. One of its most characteristic aspects was the search or   the   unity   of   faith   and   discipline   among   the   numerous   Christian communities, dispersed throughout the Roman Empire. The holding of synods or  councils  was  the  way  found  to  live  communion  between  the  Churches  at regional,  local  and  universal  levels.  The  synodal  praxis  was  born  in  the  2nd century, developed in the 3rd century and, when it matured in the beginning of the 4th century, it ended  up in the institution of the  ecumenical council. The Council of Niceia opened a new stage in the history of Christianity. There is a continuity and discontinuity between the cou ncils of these three centuries and the great ecumenical councils of Christian antiquity. In this article we want to present,   in   a   panoramic   way,   the   evolution   of   this   practice,   with   its characteristics, emerging ecclesiality and its meaning for the Church’s synodal path in the present times.