A EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA USUÁRIOS HIPERTENSOS: PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Revista Ciência Plural

Endereço:
Av. Senador Salgado Filho 1787, Lagoa Nova
Natal / RN
59056-000
Site: http://www.periodicos.ufrn.br/rcp
Telefone: (84) 3442-2338
ISSN: 2446-7286
Editor Chefe: Iris do Céu Clara Costa
Início Publicação: 31/12/2014
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Saúde coletiva

A EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA USUÁRIOS HIPERTENSOS: PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Ano: 2018 | Volume: 4 | Número: 1
Autores: Joel Dácio de Souza Maia Alexandre Bezerra Silva Ricardo Henrique Vieira Melo Maísa Paulino Rodrigues Antônio Medeiros Junior
Autor Correspondente: MAIA. J. D. S. | [email protected]

Palavras-chave: Educação em Saúde; Hipertensão; Estratégia Saúde da Família.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Introdução: As equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) têm um papel primordial no enfrentamento das doenças crônicas e na busca de melhoria da qualidade de vida, pela transformação social. Objetivos: Este estudo qualitativo buscou analisar as percepções de profissionais da ESF, em um município nordestino, acerca da prática da educação em saúde direcionada aos portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS); e apreender as concepções dos sujeitos sobre a importância da Educação Popular em Saúde e da formação de grupos de autocuidado para a promoção de saúde. Métodos: Foi realizado um estudo exploratório do tipo compreensivo-interpretativo, com a construção dos dados a partir de entrevistas abertas e análise temática de conteúdo. Resultados e discussão: Organizamos quatro categorias de análise: a percepção dos profissionais sobre a educação em saúde; as práticas de educação em saúde desenvolvidas para usuários hipertensos; os entraves para o desenvolvimento das ações de educação em saúde; e a formação de grupos de autocuidado para usuários hipertensos. Os achados apontaram que as ações educativas são desenvolvidas nos moldes tradicionalistas, utilizando largamente palestras como ferramenta pedagógica. Constatou-se a necessidade de estímulo ao empoderamento e protagonismo dos usuários, para exercitar uma postura ética, cidadã, motivadora para o controle social e a corresponsabilização. Considerações finais: Recomenda-se que as ações de educação em saúde, aliadas à formação de grupos de para autocuidado, sejam norteadas pelas diretrizes de uma prática pedagógica libertadora, enquanto estratégia para a construção de conhecimento socialmente relevante, ancorada na reflexão, dialogicidade e intervenção crítica em si e no mundo.