Convivências junto à cruz (Jo 19,25-27)

Atualidade Teológica

Endereço:
Rua Marquês de São Vicente, 225 - Departamento de Teologia - PUC-Rio - Gávea
Rio de Janeiro / RJ
22451-900
Site: http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/rev_ateo.php?strSecao=INDEX
Telefone: (21) 03527-1974
ISSN: 16763742
Editor Chefe: Maria Teresa de Freitas Cardoso
Início Publicação: 30/11/1997
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Teologia

Convivências junto à cruz (Jo 19,25-27)

Ano: 2017 | Volume: 21 | Número: 57
Autores: M. Grenzer
Autor Correspondente: M. Grenzer | [email protected]

Palavras-chave: Convivência, Cruz, Evangelho segundo João, Maria, Discípulo amado.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A micronarrativa em Jo 19,25-27 contempla, de modo especial, a questão das convivências entre as pessoas. No caso, as quatro mulheres junto à cruz – a mãe de Jesus, a irmã dela, Maria de Clopas e Maria Madalena – representam convivências pregressas, baseadas em parentesco, vizinhança e gênero. O Crucificado, por sua vez, insiste em um novo tipo de convivência, sem, necessariamente, anular as convivências antigas, sendo que as novas relações devem encontrar seu fundamento na acolhida amorosa do outro, principalmente daquele que é injustiçado e, por isso, tem sua sobrevivência digna ameaçada. O artigo aqui apresentado propõe um estudo exegético de Jo 19,25-27, partindo de uma análise linguístico-literária da micronarrativa em questão. Valorizando, em seguida, os paralelismos existentes no Evangelho segundo João, o estudo teológico procura descrever os pormenores das convivências favorecidas pelo Crucifi cado. Como personagens marcantes, a mãe de Jesus e o discípulo amado adquirem nesse contexto um simbolismo extraordinário.



Resumo Inglês:

The micronarrative in Jn 19:25-27 contemplates, in a special way, the coexistence among people. In regard, the four women nearby the cross – Jesus’ mother, her sister, Maria de Clopas, and Maria Magdalena – represent a living together which there already was, based on familiarity, neighborhood and gender. On the other hand, the crucifi ed insists on a new kind of coexistence. The new relationship must fi nd out its foundation in a kind welcoming to others, specially, those wronged that because of this have their dignifi ed survival threatened. This new coexistence must not eliminate the ancient familiarity. This article proposes an exegetical study of Jn 19:25-27, starting with a linguistic-literary analysis of the micronarrative. Subsequently, it will be valorized the parallelisms in the Gospel according to John. The theological study will describe the details in regard to the coexistence favored by the crucifi ed. As remarkable characters, Jesus’ mother and the beloved disciple acquire an extraordinary symbolism in this context.