CIVILIZAÇÃO NA ENCRUZILHADA: GLOBALIZAÇÃO PERVERSA, DESIGUALDADES SOCIOESPACIAIS E PANDEMIA

Revista Tamoios

Endereço:
Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato
São Gonçalo / RJ
24435-005
Site: https://www.e-publicacoes.uerj.br/ojs/index.php/tamoios/index
Telefone: (21) 3705-2227
ISSN: 1980-4490
Editor Chefe: Eduardo Karol
Início Publicação: 31/05/2005
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Ciências Humanas, Área de Estudo: Geografia

CIVILIZAÇÃO NA ENCRUZILHADA: GLOBALIZAÇÃO PERVERSA, DESIGUALDADES SOCIOESPACIAIS E PANDEMIA

Ano: 2020 | Volume: 16 | Número: Especial
Autores: M. Cataia
Autor Correspondente: M. Cataia | [email protected]p.br

Palavras-chave: globalização perversa; desigualdades sócioespaciais; pandemia Covid19; Estado de insegurança.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Interrogo o período da globalização a partir das iniquidades que tem promovido em todo o mundo, com especial atenção para a periferia do sistema, e o seu ocaso com a chegada da pandemia do Covid19. Esse exame coloca foco nas variáveis-chave da globalização, a unicidade da técnica, a convergência dos momentos, a cognoscibilidade do planeta e a existência de um motor único, o lucro. Essa força motriz é analisada ao colocar a competitividade no centro da reflexão. Os agentes da globalização são aludidos para a compreensão de suas estratégias de ação na defesa da globalização perversa. Teoricamente tomo a pandemia como um evento geográfico, porque ele é datado e geografizado. Essa geografização é referida à escala de origem, de onde parte o vetor difusor, e à escala de impacto, o lugar, onde o vetor se horizontaliza para promover situações geográficas. As desigualdades sócioespaciais estão no núcleo do debate sobre as situações geográficas, pois o evento Covid19 se horizontaliza sobre espaços herdados impactados pelo neoliberalismo, o que torna a situação única e dramática. Nesse período de transição para uma outra globalização, o Estado da globalização perversa e o Estado de Direito são politicamente confrontados.



Resumo Inglês:

Globalization has been promoting inequality throughout the globe, especially in the outskirts of the system. In this paper I question globalization regarding the outbreak of COVID-19 pandemic. This study focuses on the key variables of globalization: the unicity of techniques, the convergence of moments, the knowability of the planet and the existence of a single motor of history, which is profit. Competitiveness is put in the center of debate in order to analyze this driving force. The agents of globalization are mentioned so as to understand its strategies to maintain a perverse globalization. In a theoretical basis, the pandemic will be regarded as a geographic event as it is marked in time and space. The geographization of the pandemic refers to its scale of origin — where the vector is originated — and its scale of impact — where there has been a horizontal spread of the vector, producing geographic situations. Socio-spatial inequalities are in the center of the debate concerning geographic situations due to the fact that COVID-19 spreads across spaces affected by neoliberalism, which causes the situation to be unique and severe. In this transition to another globalization, the State of the perverse globalization and the legal state are politically opposed.