A biodiversidade doméstica, uma dimensão desconhecida da biodiversidade animal

Anuário Antropológico

Endereço:
Universidade de Brasília, Campus Darcy Ribeiro, Departamento de Antropologia, Editores do Anuário Antropológico
Brasília / DF
70910-900
Site: https://journals.openedition.org/aa/
Telefone: (61) 3107-7299
ISSN: 1024302
Editor Chefe: Soraya Resende Fleischer
Início Publicação: 30/06/1976
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Antropologia

A biodiversidade doméstica, uma dimensão desconhecida da biodiversidade animal

Ano: 2012 | Volume: Especial | Número: 2
Autores: Jean-Pierre Digard
Autor Correspondente: A. S. Lobo | [email protected]

Palavras-chave: Animais, biodiversidade, domesticação, criação, zoologia

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Contrariamente a uma opinião comum,o Homem não foi apenas e nem sempre destruidor das outras espécies. Certamente ele destruiu bastante, mas também protegeu de maneira considerável. Além disso, domesticando os animais, ele os transformou e os diversificou, dando nascimento a novas espécies
e no interior das espécies – a novas raças, criando assim a “biodiversidade doméstica”. Esta, diferente da biodiversidade natural, é desconhecida e negligenciada. No intuito de preencher esta lacuna e corrigir este equívoco, o artigo começa por mostrar que todas as sociedades humanas
estão em relação direta com a biodiversidade animal, esta última cumprindo um papel determinante na diferenciação externa e interna das sociedades humanas. Descreve, a seguir, por quais meios
a domesticação – entendida como ação do homem sobre os animais – produz biodiversidade: especiação, racialização,mestiçagem, hibridação etc. Mais adiante, detém-se para demonstrar por que a
biodiversidade doméstica é necessária, bem como a quais perigos a humanidade se expõe ao não preservá-la: empobrecimento do patrimônio genético, risco de penúrias alimentares, fragilidade em face das epizootias. Os caminhos acionados na prevenção destes perigos são também discutidos, dentre eles a proteção das raças em pequenos efetivos. O texto apela, por fim, não apenas para a noção de biodiversidade doméstica, mas ainda no sentido da restauração da imagem da humanidade, entendida não somente como predadora, mas também criadora da biodiversidade.