Análise de experiências em português como segunda língua a partir de uma perspectiva interseccional

Domínios De [email protected]

Endereço:
Av. João Naves de Ávila, 2121 - Sala 1U-206 - Santa Mônica
Uberlândia / MG
38408-144
Site: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem
Telefone: (34) 3239-4162
ISSN: 19805799
Editor Chefe: Guilherme Fromm
Início Publicação: 31/05/2007
Periodicidade: Trimestral
Área de Estudo: Linguística

Análise de experiências em português como segunda língua a partir de uma perspectiva interseccional

Ano: 2018 | Volume: 12 | Número: 2
Autores: Juliana Harumi Chinatti Yamanaka
Autor Correspondente: Juliana Harumi Chinatti Yamanaka | [email protected]

Palavras-chave: Experiências, Interseccionalidade, Português como segunda língua

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Este artigo visa discutir a relação entre uma intercambista e o português, a partir dos conceitos de experiências e interseccionalidade. No estudo de caso, os registros foram coletados através de entrevistas semiestruturadas, analisadas a partir do paradigma indiciário. Os resultados indicaram que as experiências têm a ver com as relações, dinâmicas e circunstâncias vividas por uma biografia inscrita em um corpo físico que não pode ser negligenciado. É possível que experiências vividas, no entrecruzamento dos vetores de opressão, engendrem emoções que afetem a aprendizagem. Por isso, sugere-se uma agenda investigativa em linguística aplicada compromissada socialmente.



Resumo Inglês:

This qualitative case study focuses on the concepts of experiences and intersectionality to analyze the relationship between an exchange student and the Portuguese language. This paper uses evidential paradigmto analyze data collected from semi structured interviews. The results of the study revealed that the experiences are related tothe relationships, dynamics and circumstances experienced by a biography inscribed in a physical body that cannot be neglected. It is possible that lived experiences, in the intersection of the vectors of oppression, engender emotions that affect learning. Therefore, we suggest a responsible agenda for Applied Linguistics.