AGRESSIVIDADE FISCAL E O COMPORTAMENTO DA CHIEF EXECUTIVE OFFICER – CEO FEMININA NO BRASIL

Revista Mineira de Contabilidade

Endereço:
Rua Cláudio Manoel - 639 - Savassi
Belo Horizonte / MG
30140-105
Site: http://revista.crcmg.org.br
Telefone: (31) 3269-8413
ISSN: 2446-9114
Editor Chefe: Profª. Dra. Nálbia de Araújo Santos
Início Publicação: 16/10/2000
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Ciências Sociais Aplicadas, Área de Estudo: Ciências Contábeis

AGRESSIVIDADE FISCAL E O COMPORTAMENTO DA CHIEF EXECUTIVE OFFICER – CEO FEMININA NO BRASIL

Ano: 2018 | Volume: 19 | Número: 3
Autores: Antonio Lopo Martinez, Regina Nobre
Autor Correspondente: Regina Maria Nobre Antunes | [email protected]

Palavras-chave: planejamento tributário, agressividade fiscal, ceo, feminina

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Este artigo investiga a relação entre gênero e agressividade do planejamento fiscal. Para tanto, analisamos a transição do Chief Executive Oficcer – CEO masculino para o feminino e a transição do CEO masculino-masculino. As conclusões apresentadas assentam-se em testes com uma amostra extraída do Economática, relativa ao período compreendido entre 2009 e 2014. Foram utilizadas duas métricas a fim de capturar a agressividade fiscal: a primeira, o Book Tax Differences (BTD), que mede a diferença entre o lucro contábil e o lucro tributável das empresas, e a segunda, o Effective Tax Rate (ETR), que mede a taxa de impostos paga em relação ao lucro operacional. Os resultados da nossa pesquisa sugerem que CEOs femininas estão associadas a um planejamento tributário mais suave, indicando menor agressividade fiscal em comparação com seus pares do sexo masculino. A idade constitui um fator que ameniza os dados. Já para as transições de CEO masculino-masculino, não foram encontrados dados estatisticamente relevantes.



Resumo Inglês:

This article investigates the relationship between gender and aggressiveness of fiscal planning. To do so, we analyzed Chief Executive Oficcer transitions (male-to-female CEOs and male-to-male CEOs). The conclusions presented are supported by tests with a sample drawn from Economática in the period 2009-2014. Two metrics were used to capture fiscal aggressiveness: the first, the Book Tax Difference (BTD), which measures the difference between the accounting profit and the taxable profit of the companies, and the second, the Effective Tax Rate (ETR) that measures the tax rate paid in relation to pretax profit. The results of our research suggest that female CEOs are associated with smoother tax planning, indicating less fiscal aggressiveness compared to their male counterparts. Age is a factor that softens the data. As for male-to-male CEO transitions, no statistically significant data were found.